sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Atenção homens: bike x próstata

Olá amigos,

Mais uma vez o Dr. Bruno Noronha vem conversar conosco sobre aspectos médicos importantes relacionados à prática esportiva.

Dessa vez, ele fala acerca de um assunto que interessa muitos homens praticantes do ciclismo: a próstata

Diz aí Dr. Bruno.........

A próstata é um glândula vizinha da bexiga. O seu funcionamento habitual é imperceptível mas as suas modificações provocam muitas vezes perturbações urinárias....
Na utilização da bicicleta, a posição sentada pode pôr em contacto com o selim toda ou parte da próstata.

Esta justaposição pode explicar por vezes a inflamação da glândula, as dores e, eventualmente, uma elevação da taxa de PSA, sem que isto esteja demonstrado formalmente.
Nenhum estudo científico demonstrou uma correlação entre a prática do ciclismo e o aparecimento (ou o agravamento) dum adenoma prostático.
Os problemas provocados pelo selim são as uretrites (inflamação do canal urinário) causadas pela pressão.
É muito bom você saber que:
  • A detecção precoce do câncer de próstata, ou seja, o diagnóstico no estágio inicial da doença, possibilita um tratamento eficaz e se previne as complicações, visto que, nessa fase, há um grande percentual de cura mediante radioterapia ou cirurgia, além da maior eficiência das outras formas de controle;
  • Nos indivíduos que fazem “check up” anual, os tumores da próstata são diagnosticados em fases realmente iniciais, com PSA abaixo de dez, e nesses casos há grande probabilidade de cura completa mediante tratamento cirúrgico ou com radioterapia;
  • A partir dos 50 anos, todo homem deve procurar anualmente um médico urologista para fazer uma avaliação clínica da próstata, ainda que esteja se sentindo bem e não tenha história de câncer na família. Essa avaliação consiste no toque retal (dada a proximidade da próstata com o reto), um exame indolor que permite ao médico identificar também outras lesões na região, tais como tumores localizados na porção terminal do intestino grosso. A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que nessa faixa etária, todo homem realize, também, um exame de sangue para dosar o Antígeno Prostático Específico (PSA), substância que, quando elevada, pode indicar problemas prostáticos;
  • Para homens que têm antecedentes familiares de câncer de próstata, a prevenção deve começar mais cedo, aos 40 anos de idade, devendo incluir o Toque Retal e a Dosagem de PSA no sangue, anualmente. O mesmo vale para homens da raça negra, grupo no qual há uma incidência maior (37%) do câncer de próstata;
  • Uma característica clínica importante do câncer de próstata é que seus sintomas aparecem muito tardiamente, ou seja, quando a neoplasia atinge a cápsula prostática. Os sintomas característicos de problemas na próstata, como dor e dificuldade para urinar são causados pelo aumento de volume da próstata e que, via de regra, estão relacionados a alterações benígnas dessa glândula
(Conheçam o blog do Dr. Bruno Noronha)

domingo, 17 de novembro de 2013

Localização via satélite

Olá,

Passei uns dias viajando e distante das publicações, mas vamos retomar a escrita. Hoje vou partilhar com vocês umas coisinhas interessantes sobre monitorar seus trajetos.

Minhas 3 bicicletas têm velocímetro, não é nada demais, um velocímetro simples (cateye), que me permite aferir:
- Distância total de rodagem da bike (odômetro);
- Distância parcial (trechos) (odômetro parcial);
- Tempo de pedalada;
- Velocidade média da pedalada;
- Velocidade máxima alcançada;
- Relógio com tempo real.

Acredito que esse pequeno "computador" auxilia bastante o deslocamentos. Você se avalia, consegue analisar e programar futuros deslocamentos, etc.

Mas há outras formas mais precisas e com mais recursos que podem nos ajudar nas atividades físicas, algumas gratuitas.

No celular:
O Google, por exemplo, disponibiliza um aplicativo gratuito para o Android (celular), que permite o registro do seu trajeto em mapa, gráficos e estatísticas. É o "Minhas Trilhas" (ou My Tracks).

Basta ativar o aplicativo (deixando o GPS do celular ligado), ligar o "rec" e sair, seja a pé, de carro, de moto, de bike, de skate, seja lá como for, ao final do percurso, você aciona "stop" e pronto. Tudo está gravado e pronto para pesquisas futuras (com possibilidade de exportar os dados). Os dados mais importantes para mim são:
- O mapa em si, com a trajetória precisa, nome de ruas, ponto de largada e chegada;
- Gráficos de elevação e velocidade durante o trajeto;
- Estatísticas de distância, velocidade, tempo, etc.

Além desse aplicativo, há o Strava (para ciclistas), também para celulares com sistema Android, de download gratuito. Ele fornece informações quase iguais ao "Minhas trilhas", mas além daquelas funções permite desafios com amigos (também usuários) através da comparação dos dados no mesmo percurso.

A desvantagem desses métodos (em celular) é que você precisa levar o aparelho com você e o consumo da bateria aumenta consideravelmente.

Em GPS:
Pessoamente não uso GPS de pulso. Porém, um amigo que usa me mandou um relatório do GPS de pulso que ele usa, um Garmin Forerunner 610, 2.80

O aparelhinho é "caro pa dedéu". O relatório é bem parecido com aquele que é criado pelo celular, mas é muito mais detalhado. Grande vantagem desse GPS é não acabar com a bateria do celular.

Outra vantagem bacana é que, com ele no pulso, você pode correr, andar de bike, etc ... ou seja, é bastante versátil e não "pesa". Você tem muitas funções, num único equipamento, leve e prático.



No balanço geral, em face dos prós e dos contras, na minha opinião, tudo depende do que você pretende fazer (e registrar) e do quanto dispõe pra investir, mas se dispuser recursos pra investir num GPS de pulso, acredito que seja melhor. Menor peso, menor gasto de energia.

De qualquer forma, um "velocimetrozin" pra bike é fundamental ;)

Abraço a todos.

sábado, 5 de outubro de 2013

Fazendo novas conexões neurais.

Olá amigos!


Ultimamente a vontade de andar de skate está voltando. Peguei meu Ripstik outro dia, fui dar uns rolês na beira mar e foi ótimo.

Foi então que resolvi que estou precisando aprender coisas novas, dentro do que já sei. Em outras palavras, lembrei de reportagens que alertam sobre os malefícios de cair na rotina e limitar a atividade cerebral. Em consequência, pensei nos benefícios de aprender coisas novas e estimular nova conexões neurais (dizem que mudar a mão que ensaboa o banho ou que escova os dentes, também ajuda a fazer "exercício" com o cérebro).

Olivier Bareau

Lancei um novo desafio a mim mesmo: Aprender a fazer o ollie no skate.

Estou certo de que desenvolver essa atividade vai me trazer benefícios do tipo:
- desenvolver conexões neurais (rsrsrs);
- melhorar o equilíbrio;
- movimentar outros grupos musculares;
- gastar mais calorias; etc, etc, etc.
- além do que, o ollie é básico para manobras mais avançadas.

Provavemente não vou chegar a fazer um ollie tão monstruoso como esse ao lado, mas se eu conseguir subir uns 30/50cm tá de bom tamanho (já dá pra subir e descer calçadas).

Aqui em Fortaleza tem umas pistas legais pra se divertir com skate/patins.

Vou adotar uns videos/tutoriais como esse abaixo pra começar a desenvolver os movimentos. É o tipo da coisa que dá pra treinar em casa (se o pessoal que mora com você não reclamar do barulho rsrsrs).

Vamos ver no que vai dar .... vou postando os registros à medida que for evoluindo.

Leiam as curiosidades abaixo.




OS DADOS ABAIXO FORAM OBTIDOS NO SITE "MINHA VIDA, saúde alimentação e bem estar"

EXERCÍCIOS PARA QUEBRAR A ROTINA:
1- Use o relógio de pulso no braço direito
2- Ande pela casa de trás para frente
3- Vista-se de olhos fechados
4- Veja as horas num espelho
5- Troque o mouse do computador de lado
6- Escove os dentes utilizando as duas mãos
7- Quando for trabalhar, utilize um percurso diferente do habitual
8- Introduza pequenas mudanças nos seus hábitos cotidianos, transformando-os em desafios para o seu cérebro
9- Faça alguma atividade diferente com seu outro lado do corpo e estimule o seu cérebro. Se você é destro, que tal escrever com a outra mão?

EXERCÍCIOS DE MEMORIZAÇÃO:
1- Ao entrar numa sala onde esteja muita gente, tente determinar quantas pessoas estão do lado esquerdo e do lado direito. Identifique os objetos que decoram a sala, feche os olhos e enumere-os
2- Experimente memorizar aquilo que precisa comprar no supermercado, em vez de elaborar uma lista. Utilize técnicas de memorização ou separe mentalmente o tipo de produtos que precisa. Desde que funcionem, todos os métodos são válidos
3- Ouça as notícias na rádio ou na televisão quando acordar. Durante o dia escreva os pontos principais de que se lembrar

EXERCÍCIOS COM PALAVRAS E HABILIDADES COGNITIVAS:
1- Estimule o paladar, coma comidas diferentes
2- Leia ou veja fotos de cabeça para baixo concentrando-se em pormenores nos quais nunca tinha reparado
3- Folheie uma revista e procure uma fotografia que lhe chame a atenção. Agora pense 25 adjetivos que ache que a descrevem a imagem ou o tema fotografado
4- Quando for a um restaurante, tente identificar os ingredientes que compõem o prato que escolheu e concentre-se nos sabores mais subtis. No final, tire a prova dos nove junto ao garçom ou chef
5- Selecione uma frase de um livro e tente formar uma frase diferente utilizando as mesmas palavras
6- Experimente jogar qualquer jogo ou praticar qualquer atividade que nunca tenha tentado antes
7- Compre um quebra cabeças e tente encaixar as peças corretas o mais rapidamente que conseguir, cronometrando o tempo. Repita a operação e veja se progrediu
8- Recorrendo a um dicionário, aprenda uma palavra nova todos os dias e tente introduzi-la (adequadamente!) nas conversas que tiver
9 - Ao ler uma palavra pense em outras cinco que começam com a mesma letra.

HÁBITOS SAUDÁVEIS:
Outra atitude indispensável para manter a memória sempre afiada, é prestar atenção na qualidade de vida. O neurologista Ivan Okamoto sugere um estilo de vida mais tranquilo, com alimentação balanceada, sem vícios e com a prática regular de exercícios físicos para manter o corpo e a mente saudáveis.
"A melhor maneira de manter a memória em dia é cuidar da saúde, por isso é importante evitar cigarro e bebidas alcoólicas, seguir uma dieta equilibrada, praticar exercícios e exercitar o cérebro. Manter a atividade mental, seja trabalhando ou participando de alguma atividade em grupo, ajuda a elevar a autoestima e deixar a memória a todo vapor", explica o especialista.

*****


Abraço a todos!

Petrus.


terça-feira, 1 de outubro de 2013

Retrovisor - Segurança no trânsito

Olá!

Amigos, quero partilhar com vocês algumas imagens e um vídeo de um acessório importantíssimo para quem usa a bike no trânsito, o retrovisor.

Como eu também uso motocicleta estava sentindo muita falta de um retrovisor para me assegurar da ausência de veículos para mudança de faixa, sem a necessidade de ficar virando a cabeça e olhando pra trás.

Muitas vezes, nesse movimento, você gira levemente o guidão para a esquerda e invade a faixa, podendo se acidentar.

Contudo, não foi fácil encontrar retrovisores nas lojas aqui aqui Fortaleza, salvo aqueles kits de acessórios de bicicletas infantis, que trazem uns espelhos minúsculos, e foi a partir disso que fiz um retrovisor de capacete, parecido com os que eu já tinha visto pela internet.

No vídeo e nas fotos abaixo você vai entender como eu fiz para adaptar o retrovisor na aba do capacete. A visibilidade é excelente, posso garantir. É só questão de ajuste, como os retrovisores de automóveis, e costume.

Estou me sentindo muito mais seguro depois que comecei a usar o retrovisor.

Ah! Uma observação, nos capacetes com aba flexivel, é possível que o espelho balance um pouco. A aba do meu capacete é rígida e, sendo assim, o espelho não vibra, mantendo uma excelente visão do que se passa atras e do lado esquerdo.

Abraço a todos!

Petrus


 


domingo, 22 de setembro de 2013

Esporte e capacete

Olá mais uma vez!


Quando a gente começa uma atividade esportiva qualquer, nunca acontece de gastar apenas com o equipamento principal.

Por exemplo, pro skate, sem dúvida se usam capacete e joelheiras. No surf, precisamos usar camisa, protetor solar, às vezes boné, parafina, cordinha, ou seja, não basta(m) a(s) prancha(s).

Bicicleta tem os seus acessórios, como luzes, capacete, luvas, mochila (pra quem trabalha) e outros milhares de "coisinhas" dependendo do uso do equipamento (bermudas com gel, camisas, garrafas, camelback, etc, etc, etc).

No entanto, há acessórios imprescindíveis: os de segurança.

Tem muita coisa nesse universo que é totalmente dispensável (não inútil, mas dispensável), mas tem coisa que não dá pra esquecer.


Resolvi falar sobre isso porque eu mesmo cometi um erro grave outro dia e, como as coisas não acontecem por acaso, acho que Deus me mandou um recado: USE CAPACETE!

Nunca andei de moto sem capacete. Antes da obrigatoriedade de usar cinto de segurança nos carros, muitos anos antes, eu já usava.

Disse que Deus mandou recado pra mim porque em menos de 3 dias ouvi relatos de pessoas que caíram e espatifaram o capacete, ou seja, sem o capacete teriam espatifado a cabeça.

Um levou um tombo num passeio que participo regularmante (à noite), numa descida à caminho da Praia do Futuro, aqui em Fortaleza. A corrente travou, ele caiu de lado e, tendo enganchado o corpo no quadro da bike, arrastou por uns 5 metros. O capacete espatifou. O cara ficou desacordado uns minutos, quando acordou estava totalmente desorientado, sem memória (além de ter ficado todo ralado claro). O capacete ficou em farelos, imagina como ia ficar a cabeça dele. Um simples passeio em grupo ia se transformar em tragédia.

Outro foi em uma prova de Mountain Bike. Descendo a ladeira o ciclista caiu e a cabeça dele foi direto numa pedra grande que estava no chão, resultado: Além dos arranhões, um capacete espatifado e uma leve dor de cabeça. E se ele estivesse sem capacete hein?

Não saio de bicicleta nem de moto sem capacete. Não é frescura, é mesmo importante, preserva a vida!

Outra coisa: percebi que os motoristas respeitam mais os ciclistas que usam capacete e luzes de alerta na bike. Claro que deveriam respeitar todos os ciclistas, mas se o uso do capacete e de luzes faz com que os carros passem mais longe de você, USE!

No Youtube você pode encontrar vídeos imbecis que questionam o uso de capacete, já que não impedem que um ônibus esmague a cabeça do ciclista ou um carro atropele o sujeito, e vão além; ainda questionam  a serventia do capacete em rodovias, já que não há obstáculos e uma queda geraria apenas arranhões. Que idiotice... quanta falta de responsabilidade!

Todo mundo sabe que quando o corpo de desloca, o aumento da velocidade também aumenta o peso. quando seu corpo vai ao chão, quanto maior a velocidade, maior seu peso e menor a capacidade dos músculos do pescoço sustentarem a cabeça.

Por que você acha que os pilotos de F1 usam aquele colar cervical entre o capacete e os ombros? O pescoço não segura a cabeça.

Quando andar de bicicleta, de skate, de moto, de patins, use os equipamentos mínimos de segurança para ter certeza que você vai guardar apenas "boas recordações" dos seus momentos de lazer.

Inclusive como faço uso diário de bike, estou procurando um retrovisor pra me ajudar no trânsito, assim como uso na moto.

Muito cuidado no trânsito galera!

Forte abraço,

Petrus

Se quiser ler algo interessante sobre a composição dos capacetes veja os links abaixo:





sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Observações sobre o upgdrade da Dobrável

Olá !!!

(Resultado final)
Como havia prometido, estou voltando pra falar do upgrade que fiz na pequenina D60, bike dobrável da Soul (ver publicação anterior).

Recebi a dobrável na quarta feira passada (há dois dias) e na mesma noite fui participar de um passeio com um grupo aqui de Fortaleza.

Foi um desastre kkkkkk.

O pinhão original que veio no kit do cubo (Shimano Nexus Inter3)  tem 23 dentes.

A relação de marcha ficou suuuuuper curta, ou seja, eu me matava de pedalar e a velocidade final era baixíssima. Na mesma hora me deu aquela chateação, aquela sensação de quem mexeu no que tava ótimo e original, gastou uma grana e estragou a bike.

Estava tão ruim que não consegui acompanhar o ritmo do grupo.

Quando cheguei em casa comecei a pesquisar e, graças a Deus, vi em vários grupos de discussão que o meu cubo novo era compatível com os outros cubos de freio contrapedal.

Fui dormir mais tranquilo. No dia seguinte voltei na mesma loja e comprei um pinhão com 18 dentes.

Para trocar o pinhão é fácil. Tira a roda, solta o anel de pressão, tira um pinhão, coloca o outro, coloca o anel de pressão de volta e a roda. Tudo certo.

Foi preciso tirar dois dentes da corrente, nada mais (porque o pinhão menor deixou a corrente mais folgada).

Hoje (sexta 20/09/13) fui trabalhar nela, de manhã e de tarde, pra testar.

Resultado: Ficou melhor do que o kit de fábrica .... kkkk ... só precisava trocar esse bendito pinhão. A velocidade final numa reta, pedalando, chegou a 49km/h, mas acho que dava pra dar mais um gás (não valia à pena porque ela tem rodas pequenas e não foi feita pra velocidade, então tá bom demais).

Veja a diferença de tamanho dos pinhões: o original de 23 dentes (cromado) e o preto de 18 dentes. Ainda pensei em usar um menor, mas não tinha na loja.

Ficou excelente, repito. O cubo tem apenas 3 velocidades diferentes, mas é o bastante para: a) na marcha mais leve, subir uma ladeira mais íngreme com tranquilidade; b) na intermediária, andar nas retas e nas subidas mais leves; c) na mais pesada, desenvolver velocidade e acompanhar qualquer bike grande.

Não estou sentindo falta das engrenagens intermediárias. Os caras acertaram o projeto na progressão das velocidades.

 Agora estou mais tranquilo para passar perto do meio fio, sem medo de arrastar o trocador de marcha.

Além disso, com a marcha que veio de fábrica, em duas ocasiões, pedaços de saco plástico entraram no trocador e enrolaram nas engrenagens.

 

É isso aí, o investimento valeu à pena. O pessoal da Soul e dessas outras marcas de dobráveis devia pensar nessa alternativa pra mandar de fábrica logo.



Agora é rodar e se acostumar com o novo e eficiente freio traseiro.

Abraços!

Petrus.




quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Um upgrade na Dobrável D60 Soul.

Eu havia levado a dobrável D60 (Soul) para fazer umas alterações numa loja de peças, em Messejana, um bairro próximo ao meu.

Originalmente a minha dobrável veio com um kit de 6 velocidades Shimano, mas me incomodava o fato de olhar pra roda traseira e ver o câmbio pertinho do chão, já que o aro dessa bike é 20.

Então pensei em dar uma incrementada nela.

Comprei um cubo Shimano Nexus Inter 3 (com três velocidades, como dá pra desconfiar pelo nome rsrs).

Segundo me falou o vendedor (e pelo que vi na internet) esse cubo é blindado, não entra água e dificilmente precisaria de manutenção. Isso é importante, uma boa característica.

O cubo proporciona três velocidades e freio no contra-pedal (CP). Dessa forma eliminei o sistema de freio traseiro (manete, cabo e v-brake), pra ir logo me acostumando.

Já que eu ia mudar o cubo traseiro, que era de ferro, resolvi trocar também o cubo dianteiro por um de alumínio polido, coloquei aros "aéreos" e raios inox reforçados.

Visualmente eu gostei do resultado. Coloquei as fotos abaixo.

Assim que peguei a miudinha, na loja mesmo, montei nela e testei a mudança de velocidades (que pode ser feita com ela parada sem problema algum) e o freio contra-pedal. 

Putz, que freio eficiente!!! Tem até que tomar cuidado rsrsr.

Vamos ver como fica o desempenho dela no dia a dia, indo pro trabalho. Vou postar mais comentários no futuro.

Vejam as fotos!!!









domingo, 15 de setembro de 2013

Perdendo peso.

Olá,

"Perder peso", quem não fala sobre isso hoje em dia?

A preocupação com o sobrepeso é comum e tão discutida quanto a necessidade de praticar alguma atividade física.

Cada pessoa tem um detalhe para acrescentar na receita da outra, uma dicazinha esperta pra ajudar rsrs. É sempre assim nas rodas de bate papo, no face, no whatsapp, no instagram, etc. Todo mundo tem algo a dizer.

Eu perdi um certo peso de dezembro/12 pra cá (set/13). Foram 14kg.

(Eu usava essa calça kkkk)
Até agora se foram 14 kg .... mas sem sofrimento. Claro que tem horas que dá vontade de chutar o pau da barraca, mas eu já eliminei 14kg.

Pode não parecer muito mas, só pra ilustrar, quando eu tinha eliminado 10kg, peguei 10 pacotes de um quilo de açúcar, coloquei um em cima do outro. Nossa, como é que eu tava com isso tudo socado dentro do meu corpo?

O que eu fiz foi mais ou menos simples. Eu estava com 88,5kg e, logo depois da alta (da famosa cirurgia) pensei assim: quero recuperar minha barriga de tanquinho (kkkkkk). Parece meio ridículo, mas foi assim. Pensei no ideal pra alcançar o mais próximo possível.

Comecei a pesquisar e achei um site que deu receita perfeita, sem mentira, sem enrolação. A receita é "deficit calórico", ou seja, gastar mais do que entra, além de uma alimentação "um pouco" diferenciada.

Vou explicar, como EU fiz. Olha lá, não estou dando receita nenhuma, estou só dizendo como fiz e deu certo pra mim. Pode ser que não dê certo pra você. Cada pessoa tem seu modo de vida, seus costumes, sua rotina, seu dia a dia, etc.

Minha altura é 1,71m e eu estava com 85,5kg antes da cirurgia, tava pesado, mas depois da cirurgia engordei mais um pouco rsrs, sem poder fazer nada, me recuperando e comendo.

Como havia falado, pesquisei e confirmei meus instintos. Já desconfiava que a receita era essa (deficit calórico), então foi só organizar as idéias. 

Antes de começar a mudança de hábitos, meu dia a dia de alimentação era assim:
- Acordava e tomava café com leite, pão carioquinha com manteiga e queijo, às vezes dois pães;
- Não comia nada até a hora do almoço. Chegava faminto e almoçava: Arroz, feijão, às vezes macarrão, carne ou frango (ou peixe), às vezes os três (rsrs), mais um pouco de salada, refrigerante ou suco (durante a alimentação);
- à tarde, no trabalho, quando dava fome, comia biscoitos, chocolate, o que tivesse ao alcance;
- Quando voltava do trabalho, passava na padaria, comprava salgadinhos, pra comer com café e leite, presunto, queijo;
- Antes de dormir comia o que tivesse, mesmo que fosse igual ao almoço. Não dava pra dormir sem comer nada;
- churrasco e quase todo fim de semana (cerveja, nem sempre, mas churrasco sim hehehe, não gosto de beber);
- atividade física esporádica.

Eu já tinha tentado a dieta das proteínas algumas vezes, mas acabava recuperando peso.

A meta era deficit calórico, a receita que encontrei era bem clara na minha cabeça, gastar mais do que eu comia, lógico. Além disso, a matéria dizia que não precisava fazer uma flexão abdominal sequer rsrsr ... eu pensava do mesmo jeito, fazia todo sentido pra mim.

Como eu nunca tive besteira com comida (como de tudo) não senti dificuldade para mudar a alimentação.

(Meu almoço normalmente, fora a carne)
Passei a me alimentar assim:
- Acordo e como frutas do tipo mamão, melão ou os dois; iogurte, granola, queijo light, uma fatia de pão de forma integral passado no grill, café com leite adoçado com adoçante, às vezes um ovo, um Yakult;
- Durante a manhã, no trabalho, como uma fruta (maçã ou tangerina ou pedaços de mamão ou melão (pele de sapo ou japonês, que já levo cortados);
- Na hora do almoço: Salada com carne ou frango (ou peixe), às vezes coloco fruta na salada também; depois do almoço tomo um suco;
- à tarde levo fruta de novo pro trabalho ou compro uma saladinha de frutas no restaurante e, às vezes, no desespero, quando não tem mais nada, como barrinhas de cereal ou castanhas;
- quando volto faço logo um lanche com fruta, iogurte e queijo. Às vezes, quando não estou a fim de fazer lanche, tomo uma sopinha.
- mais tarde, quando rola fome, antes de dormir, jogo mais uma fruta pra dentro e como um Polenguinho.

Diminui bastante, pão, arroz, feijão e massas em geral, salvo quando estou prestes a correr, porque preciso de mais carboidrato. Refrigerante não. Bolo não (mas é porque eu não gosto mesmo de bolo).

Depois    e    antes
(Olha a cara de alegria do gordin)
DETALHE IMPORTANTE: Aumentei muito a atividade física. Faço essas coisas que estão aí no blog: surf, bike, patins, skate, corrida, wake (quando dá) (e aprendendo a escalar).

Não gosto mesmo de academia, ambiente fechado. Não dá pra mim.

A frequência é diária. Todo dia vou trabalhar de bike, só não vou mesmo quando preciso ir pro trabalho e de lá tenho uma audiência noutro local distante no meio da manhã ou da tarde.

Depois desse pedal leve (pro trabalho) tento fazer uma pedalada maior com esses grupos noturnos.

Pelo menos duas vezes por semana me organizo pra ir surfar cedinho, antes do trabalho, tipo 5h da manhã. Sempre surfo no fim de semana e, quando saio, tomo um açaí ou como frutas e bastante líquido.

Inclusive lembrei agora que não pego o skate faz tempo hehehe. Vou ver se dou umas pernadas esta semana.

O peso caiu rápido usando esse método.

Mas eu sempre tenho uma barra de chocolate na geladeira. Consigo passar uns dias com ela (quando meus filhos não pegam rsrsr). 

Levo a sério meus momentos de atividade física e quando deixo de fazer um dia, fico perturbado rsrsr. Acho que fiquei viciado kkkkk.

Abrindo um parêntesis, quando fiz minha consulta de avaliação médica, o Dr. Ricardo Diógenes perguntou se eu me achava viciado em esporte e eu disse que sim kkkkk.

Pois é isso, é assim que estou fazendo. Não deixei de comer açúcar como prevê a dieta da proteína, porque como muitas frutas e elas têm açúcar natural. No café sempre uso adoçante (aspartame).

Ei, você conhece aquele melão pele de sapo (ou sapiê)? Caramba como aquilo é gostoso, docinho .... e o melão japonês, huuuum.

Quando consumo granola, utilizo iogurte e bebo bastante líquido.

Aqui e acolá pego um brigadeiro. Projetei minha redução de peso e reeducação alimentar a médio e longo prazo, como uma mudança de vida, mudança de estilo.

Abraço a todos!!!

Petrus

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Sobre pedalar pro trabalho.

Olá !!!

Um amigo me mandou uma mensagem e pediu que eu falasse mais sobre minha experiência pedalando pro trabalho, detalhes das bikes e dicas.

Ambos são assuntos muuuuito abrangentes, mas vamos lá.

Eu já fui ao trabalho de bike com três modelos diferentes: uma mountain bike, uma speed e uma dobrável.

Em todos os casos a viagem foi boa, tranquila, sem sobressaltos, mas cada experiência me causou uma impressão diferente.

No primeiro mês que fui de bike ao trabalho, usava um modelo mountain bike (MTB). Ela é um trator: você encara os buracos, areia (seja areia frouxa, seja sobre o asfalto), subida e descida de "meio fio", tudo sem preocupação, porque é uma estrutura robusta. Ela foi feita pra aguentar mais pancada que as outras, obviamente.

A posição de pilotagem, um pouco inclinado pra frente, facilita a aerodinâmica (cortar o vento).

O amortecedor no garfo dianteiro absorve as irregularidades do solo, sem transmitir os impactos  que fazem a gente tremer os braços e cabeça.

A minha MTB, inclusive, tem um amortecedor no canote (cano do selim) que também diminui os impactos na bunda e na coluna. Acho ela bem confortável.

O tamanho dela é que não ajuda. Como ela é toda grandona, passar entre os carros é mais difĩcil. Além disso, não é em todo lugar que você pode "guardar" a bike, especialmente se no seu emprego não tem bicicletário.

As MTB's não têm protetor de corrente (podem sujar a perna da calça).

Outro problema é que, excluindo as MTB's de supermercado, as outras estão com o preço beeeem salgado, de forma que, deixar a bichinha no meio da rua o dia todo, se torna um grande risco, seja por conta dos furtos, seja por conta do desgaste (sol e chuva). O custo médio de uma MTB "boazinha" atualmente varia de R$2.000,00 a R$4.500,00 (claro que não estou considerando as profissionais que ultrapassam muito dessa estimativa).

O esforço físico na hora da pedalada não muda muito em comparação aos outros modelos. Muda apenas quando você para e precisa manusear a bike pra estacionar, levantar, amarrar, etc. Claro, ela é mesmo mais pesada.

Fui poucas vezes ao trabalho na speed, mas quando fui, sempre economizei uns minutinhos. Ela é mais leve e mais rápida, sendo assim, quando você estiver pressa, essa vai ser sua preferência.

Quando pego a pista com disposição pra rodar, sempre prefiro a magrelinha, pela leveza e rapidez. A aerodinâmica dela é a melhor entre as três, uma vez que é a mais inclinada

Dos três modelos, porém, foi a que menos gostei de usar "para o trabalho", por uma série de motivos (destaquei a expressão "para o trabalho" porque ela faz sua função de velocidade no asfalto muito melhor que as outras).

A posição de pilotagem não favorece o movimento de cabeça frequente que é necessário para checar a proximidade dos veículos. Como você está muito inclinado pra frente, fica difícil olhar para trás ou por cima do ombro, não sendo possível instalar um retrovisor por causa do design do guidão.

Como os pneus são fininhos, não dá para usar em trechos onde há areia no asfalto nem na areia frouxa (neste último caso nem pensar).

Além disso, não é prático instalar um bagageiro nela e você precisa usar mochila, resultado: Fica com as costa suadas.

Transitar entre os carros é mais fácil do que numa MTB, mas eu não usaria uma speed para trabalhar todo dia. Eventualmente vou na minha, mas não com frequência. 

O esforço físico que empreendi na speed foi o menor de todos e a velocidade (média e máxima) foi a melhor dos três modelos. Por outro lado, como a distribuição do peso fica muito pra frente (e ela não tem amortecedor) você sofre mais com a irregularidade do asfalto e até mesmo as menores pedrinhas são um risco.

A questão do preço e do risco também é sensível nesse caso. Dependendo da marca da speed o risco de deixá-la na rua (ou mesmo no bicicletário) é algo a se pensar.

Ah, ela também suja a barra da calça porque não tem protetor de corrente, a não ser que você levante, dobre ou prenda a perna da calça.

A dobrável foi a que considerei o melhor custo/benefício para ir ao trabalho.

A posição de pilotagem não é muito aerodinâmica porque você fica mais vertical e leva muito vento no peito, precisando fazer um pouco mais de esforço na pedalada, dependendo da posição que ele soprar.

Porém, estando mais vertical, para o trânsito urbano, me senti mais confortável (coluna).

Tem gente que acha o visual dela esquisito kkkk mas isso não tem sido empecilho pra mim. A maioria das pessoas tem curiosidade e isso é bem legal, chegam pra fazer perguntas bem divertidas rsrs.

Ela é leve (até mesmo a de aço carbono) e fácil de manusear, seja em movimento, seja parada.

Como ela veio de fábrica toda completinha, não precisei fazer muita coisa além de trocar o banco (selim) e colocar luzes de led intermitentes.

O guidão (bem estreito) te permite passar entre carros muito próximos (quando o semáforo está fechado, claro), em espaços que nem a MTB, nem a speed passariam.

Se no seu local de trabalho não tiver bicicletário isso não é problema, você dobra e leva pra dentro (pessoalmente tenho deixado a minha sob a bancada do refeitório veja a foto; baixo o banco e dobro o guidão, só isso).


O preço (apesar de não ser "barato") está mais dentro do orçamento (na maioria das vezes varia de R$800,00 a R$1.500,00), dentre modelos com quadro de aço carbono ou aluminio, velocidade única ou sete trocas, com bolsa de transporte ou sem ela.

Apesar de pequenina, ela é muito rápida. Já percorri distâncias consideráveis na dobrável, sem me cansar, mantendo uma média de velocidade igual ou superior à MTB. A perna da calça dificilmente vai se sujar porque a coroa tem um protetor de plástico.

Ela foi feita para transporte urbano de pequenas e médias distâncias. Vem equipada com paralamas (que no período de chuva faz a diferença) e garupa (que me facilitou o uso de um alforge, para evitar mochila e costas suadas).

Como as rodas são menores e você fica bem alto, no começo dá uma certa insegurança nas manobras, mas rapidinho se acostuma.

As rodas pequenas (aro 20") ficam num meio termo: não dá pra passar na areia frouxa, mas as pedrinhas do caminho e a areia sobre o asfalto não são problema.

Outro dia fui flagrado pelos colegas de trabalho quando atravessava o trânsito na chegada ao trabalho, kkkkkk (foto ao lado).

Não acho que a dobrável é cansativa, nem no trajeto, nem pra guardar. As 6 velocidades estão suficientes pro meu trajeto, subidas e descidas. É pequena, leve e rapidinha. A minha pesa uns 12kg. Não veio com bolsa mas, como uso com frequência, não me faz falta.

Só não recomendo subir e descer meio fio com ela sem que seja bem devagar. Ela não tem amortecedor dianteiro nem nada.... além de forçar a estrutura, ao subir e descer meio fio, os aros de alumínio (simples) podem amassar, dependendo do seu peso.

Ela é minha preferida para ir ao trabalho.

Como moro bem perto do trabalho não necessito tomar banho ou trocar de roupa por causa do suor. Na verdade, nem chego a suar, mesmo sob o sol abençoado de Fortaleza. Mas quanto a isso, sugiro a leitura da seguinte matéria: Minha empresa não tem chuveiro, como eu faço?

Quero participar de um passeio noturno com ela só pra ver como é que é.

Escrevo mais depois !!!

Abraço,

Petrus.

sábado, 7 de setembro de 2013

Wakeboard

Olá !!!

Amigos, vou falar um pouco da experiência que tive com Wakeboard.

Quando fiz a minha cirurgia de coluna (sempre falo dela porque foi um tempo que tive pra pensar), fiquei deitado imaginando o que fazer quando ficasse curado, se ficasse 100%, e imaginei como deveria ser legal praticar Kitesurf.

Então a idéia inicial era fazer kite? Era.

Quando pude me sentar, usei bastante a internet pra pesquisar sobre o assunto e, quanto mais lia, mais ficava apaixonado. A vontade+impossibilidade de realizar, criam uma expectativa maior ainda, seja lá no que for.

Imaginei que não ia ter muita dificuldade porque já andava de skate e a posição era bem parecida, a diferença é que tinha uma vela puxando.

Descobri em Fortaleza, durante as pesquisas, um lugar chamado Lagoa do Colosso, relativamente perto da minha casa, onde eu poderia ter um primeiro contato.

Fui conhecer e conversei com um instrutor que me recomendou umas sessões de wake, antes de fazer kite, pra aprender a comandar os pés, antes de me aventurar na "pipa", o que achei sensato. E assim fizemos.

Subi numa cama elástica e segui as instruções, pulando, trocando de base, sempre segurando um apoio de madeira preso numa corda, imitando a posição que ficamos quando somos puxados, por uma pipa ou por uma barco.

Logo em seguida, vestindo um salva vidas e um capacete, passamos pra água.

Lá eles têm um sistema de cabos que imita uma tração de barco ou pipa, assim vc pode ir e vir com um motor puxando, é bem legal.

A prática do skate ajudou mesmo, fiquei em pé sem dificuldade. A dificuldade inicial era só fazer as curvas no final do "circuito" pra ir e voltar, é mais ou menos como o desenho de um "8" beeeem alongado no meio.

A sensação é muito boa, mas alerto, precisa ter uma forcinha nos braços ... se você estiver muito fora de forma, paradão, vai  sofrer um bocado. As mãos doem um pouco mas depois caleja.

Só fiquei triste porque os preços de lá ainda são caros. Não dá pra praticar com muita frequência se você não tiver uma situação financeira um pouco mais folgada.

O sonho do kite ficou um pouco mais distante. O pessoal lá me cobrou R$800,00 pelo "curso". Esse curso é imprescindível pelas noções de vento e navegação com a "pipa". Sem ele você pode ficar em sérios apuros.

O equipamento de kite é mais uma cacetada ... você compra um de segunda mão por algo em torno de R$2.500,00.

Você fica meio numa sinuca: - pagar um curso caro e não gostar ou, gostar, e ter que gastar ainda mais. É um investimento meio pesado pra atirar no escuro assim.

Acredito que se procurar mais encontro algo mais em conta (curso e equipamento). A falta de concorrência deixa os caras livres para arbitrar os valores, sem receio.

Vale a pena conhecer o esporte. Ainda fui umas 3 ou 4 vezes na Lagoa do Colosso, mas ficou salgado rsrs.

Ainda tenho vontade de aprender a usar o kite e entrar no mar com ele ... às vezes enquanto surfo, a galera do kite passa pra lá e pra cá, saltando as ondas numa velocidade incrível, eu acho muito legal.

O kite ou o wake, precisam de esportes de apoio pra manter a forma. Apenas força no braço não vão te garantir coração e pulmão hehe.

Claro esse esporte também tem seus riscos. O instrutor que me atendeu contou que, uma vez, distante da praia mais de quilometro, se arriscou num salto, subiu muito, calculou errado a volta e quebrou o tornozelo, a pipa caiu, a prancha ficou longe, ou seja, um problemão pra quem está sem celular e pratica um esporte solitário. Mas ele é experiente e soube usar a pipa para arrastá-lo até a prancha e depois até a margem (por isso o curso é importante).

Incidentes como esse podem acontecer, mas isso depende muito de quão longe você quer levar os seus limites. Dá pra se divertir sem dar tantas piruetas rsrsr.

Abraço a todos!!!

Petrus

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Cansado!!!!

Caramba ... que cansaaaaço!!!


Hoje eu to esgotado... não deu pra ir trabalhar de bike, nem correr, nem escalar, nem pedalar à noite com o grupo, a carga da minha bateria tá baixa rsrs.

Esta semana peguei meio pesado aí a bateria ficou baixa hoje.

Segunda fui trabalhar de bike e a noite fui escalar. Na terça de manhã cedinho fui surfar e quando voltei fui pro trabalho de bike.

Acho que foi isso, emendei dois dias de bike com escalada e surf.

Hoje deu um cansaço danado. Não fui trabalhar de bike ... dei um dia folga pro corpo velho rsrsrs.

O cansaço não era mental, só físico mesmo. Trabalhei legal, mas não vou exagerar.

É assim mesmo, não vou forçar a barra. Vou respeitar os meus limites.

Amanhã quando acordar retomo a carga, vou pedalar e à noite escalar. Se tiver gás vou surfar sexta de madrugadinha cedo.

Pessoal, recomendo conhecer o site Vá de Bike, é show demaaaaais.

Força, determinação ... ROTINA. Não posso quebrar a rotina!

Abraço a todos.

Petrus.

domingo, 25 de agosto de 2013

Escalada (up up up)! - Parte 2

Aê pessoal, passei uns dias afastado das postagens, procurando experiências.

Fui na Fábrica de Monstrinhos que havia mencionado na postagem anterior.

Descobri o seguinte: - Esses muros de escalada que você vê nos parques não significam nada kkkkk ..... você pensa que está escalando, mas que nada, tem um universo imenso por trás disso.


(Essa lona embaixo
ajuda a absorver as quedas)
A Fábrica de Monstrinhos - FM, fica no centro de Fortaleza, numa casa pequena. O caras se reuniram e fizeram uma estrutura super interessante dentro dessa casa pra treinar condicionamento físico e técnicas de escalada.

Estive lá na semana seguinte à minha experiência na AYO e minha impressão foi muito positiva.

Fui muito bem recebido por todos. Um clima de amizade e saúde, muito bacana.

O Alex Rodrigues (instrutor) iniciou uma brincadeira com mais dois frequentadores: cada um subia em dois pontos e acrescentava mais dois; em seguida o outro pegava os mesmos pontos e acrescentava mais dois ... o nível de dificuldade e de cansaço vai aumentando.

Gostei demais. Claro que não fiz sequer a metade do caminho que eles fizeram, mas deu pra entender o espírito da coisa: Continuar, tentar e não desistir.

É questão de tempo, perseverança e conhecimento pra ir ampliando o alcance e os graus de dificuldade da escalada.

Tá vendo essas garras no teto? Os caras andam por elas, rsrsr .... quero conseguir também.

Claro que tem muito caminho pela frente, mas tenho paciência e sei que não vou ter o mesmo desempenho deles da noite pro dia. Especialmente porque estou começando agora, aos 45 anos.

(Dá pra ver um pequeno calo dá'gua
no dedo mindinho, na falange do meio)

O que mais cansa mesmo é a mão e o antebraço. Na verdade, tem uma hora que você tem que saber parar, porque a mão não fecha mais, a força simplesmente acaba, ou seja, zero total rsrsrs.


A natureza a sábia. Esse momento de fadiga chega mais ou menos na mesma hora que uns calos d'água querem aparecer. Então parei.

Depois de uma horinha mais ou menos a vermelhidão começa a sair.

Carbonato de magnésio
Tem que usar magnésio porque a mão sua e fica difícil segurar. As sapatilhas têm que ser bem apertadas pra poder usar o bico e as laterais como apoio, sem que dobrem (há algumas usadas na FM pros iniciantes).

Vou tentar ser assíduo na FM. Deu pra sentir que ela vai servir bastante pra melhorar meu condicionamento físico. A assiduidade só não vai ser maior porque não tem onde deixar o carro e fica meio longe pra ir de bike mais de duas vezes por semana.

Vou postando as novidades daqui pra frente; pretendo dar uma mergulhada nesse esporte!

Abraço a todos!

Petrus

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Escalada (up up up!)

Olá galera,

Hoje fui matar uma curiosidade que eu tinha há bastante tempo ....  "E S C A L A D A" (indoor).

Achei bastante interessante.

Aqui em Fortaleza, numa distância de apenas 4,8km da minha casa, na AYO Fitness encontrei um muro de escalada (foto ao lado) com dois caras super receptivos e educados dando todo suporte. Daniel e Alex.

Equipamento de segurança disponíveis: cadeirinha (pegando cintura e pernas), cordas, capacete, argolas, etc.

Instruções iniciais sobre a subida e descida e o Alex me deixou bem livre: - Fica à vontade pra subir como você achar melhor nessa primeira vez.

Aí eu subi, tranquilo, sem cansar nem nada ... na volta a gente segura só na corda e vai apoiando os pés na própria parede; posição do corpo quase horizontal. Fui duas vezes assim, no instinto.

Depois começamos a brincar de subir apenas pelas cores: apenas apoios amarelos (cheguei em cima); apenas apoios verdes (fiquei no 3/4 da subida) .... e finalmente fui pro lado direito, com final de subida negativo (subi tbm até o fim).

Aí o braço cansou :(

Para a "primeira vez" achei super bacana. Deu vontade de ir mais vezes. Os dois instrutores me indicaram um grupo lá no centro da cidade (Fábrica de Monstrinhos). Quem sabe eu comece a participar de pequenos tours aqui por perto de Fortaleza para escalar na natureza mesmo .... não sei, vamos ver.

O maior cansaço que senti foi do braço mesmo. Mas esse problema acaba com a prática repetida do esporte. Acredito que você vai pegando marra, criando calo na mão e aprendendo as técnicas.

Deu pra divertir legal .... não foi nada demais pra gente que é jovem, na casa dos 45 (kkkkkkk).

Valeu a experiência. À medida que for conhecendo melhor e tento experiência, vou postando.

Abraços!

Petrus

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Fotos da miudinha (D60)

Fotos da miudinha (minha bike D60 que uso pra ir trabalhar).

O guidão estreito é excelente para passar entre os carros durante os engarrafamentos.


Como não tem bicicletário, ela fica embaixo da bancada do refeitório

Coloquei um alforge pra levar umas coisas; deu muito certinho no bagageiro.

Uso um computadorzinho pra marcar distâncias e tempo

Adicionar legenda



domingo, 11 de agosto de 2013

Regulagem da folga no guidão da dobrável Soul D60

Olá !!!

Comprei uma bike D60 Soul e depois de 2 meses ela ficou com uma folga no movimento do guidão, que alguns chamam de caixa de direção.

Procurei um vídeo que pudessa ajudar, dar umas dicas de mecânica, mas não existe. Acabei metendo as caras e aprendendo a regular, tirando a folga.

Fiz um vídeo e vou disponibilizar pra quem quiser fazer o serviço. Em três minutinhos tá feito, é fácil.


BICICLETA: divertimento, transporte e saúde (Parte 3)

Olá,

Dando continuidade às duas conversas anteriores sobre bicicleta, vou falar um pouco sobre minhas impressões quando voltei a pedalar.

Acho ótimo pedalar, gosto demais mesmo. Neste post quero partilhar algumas experiências pessoais.

Esse aí ta morto kkk
Vou começar falando da dificuldade de acompanhar os grupos de passeio noturno no começo.

Algumas vezes a falta de condição física é tão grande que uma pedalada pequena de alguns quarteirões já se torna um grande obstáculo.

Isso é resultado do nosso sedentarismo. É incrível como a gente fica fora de forma rapidinho.

Como já falei antes, o lance é não parar no primeiro passeio. É normal sentir dores musculares quando se faz esforço físico depois de um longo período de sedentarismo.

Lembre-se das recomendações que coloquei no post "Avaliação Médica" e dos assuntos abordados no post "Entrevista com Dr. Bruno Noronha (médico do esporte)".

As dores são uma decorrência da sobrecarga a que foi submetida a musculatura. Mas, se você mantiver a frequência da atividade, os músculos vão "entender" que aquela carga é a sua média, vão se adaptar, você fica mais forte e as dores passam.

A bicicleta elétrica infelizmente ainda é muito cara aqui no Brasil. Seria uma opção para aqueles que querem pedalar quando a condição física não ajuda. É possível usá-la num modo de "assistente" nas pedaladas, usando a propulsão como um complemento da força aplicada nos pedais.

Na minha opinião, entretanto, a bike elétrica não é muito interessante para uso contínuo, e vou explicar porque. Obviamente ela traz maior conforto e menor esforço ao ciclista, mas é essa a intenção? A intenção é usar uma bike que não requer pedal? Se for assim compra uma moto rsrsrs.

O preço pode variar de R$1.500,00 a R$4.500,00 (salgado hein?).

Fora isso, a bateria não tem uma autonomia tãããão razoável e, dependendo do uso (modo assistência ou acionamento direto) pode acabar antes do que você imagina.

Aí você está frito. Como ela tem muito mais peso pra carregar (estrutura, bateria, motor, etc.) pedalar com uma bike elétrica só "na perna" fica uma dureza.

A bike elétrica, então, nem é uma moto (porque é muito fraca) nem é uma bicicleta leve o bastante para te levar pra qualquer lugar. Mesmo as mais modernas com bateria mais "inteligente" e maior autonomia são, na minha opinião, um incentivo ao sedentarismo. Partilho da opinião dos meninos da Revista Galileu ... veja o vídeo.

Procure um selim adequado. Se a sua "sentada" está incomodando, pode ser que a regulagem do selim não esteja no ponto. Tente ajustar a altura do cano do selim (em relação ao pedal), de forma que sua perna não fique totalmente estendida, mas um pouco flexionada. Ajuste também a posição do selim (mais para frente, mais para trás), até que você se sinta confortável.

Selim de speed
Se a bunda dói, pode ser que o formato do selim não seja bom. Isso tudo também varia de acordo com o estilo da bike. As speeds permitem que você use um selim mais magro (sem gel ou espuma) porque a posição de pilotagem, muito inclinada para frente, divide o peso entre o selim e o guidão. Além disso, uma sela muito larga incomoda entre as pernas.

Quanto mais vertical a posição do tronco ao guiar a bike, mais confortável deve ser o selim. O incômodo da "sentada" atrapalha todo o divertimento. Além disso, para os homens ainda sobrevive a dúvida: se a pressão sobre a área da próstata pode acarretar algum mal futuro.

Para evitar, se você é homem, busque um selim que tenha uma parte central mais baixa (selim vazado), como nessa foto.

O tipo de bicicleta que você precisa depende do que você vai fazer. Se for para simples passeios noturnos, compre uma boa bicicleta de supermercado. Pra passeios urbanos é suficiente. To falando sério. Compra uma básica, com 18 ou 21 velocidades. As mulheres podem até comprar com cestinha na frente. Para uso na cidade é de bom tamanho (e a cestinha tem sua importância sim, reconheço).

Alugar bikes no momento do passeio é uma loteria. Na maioria das vezes você "perde o jogo", pega uma bike horrível, com freios e câmbio ruim, acaba ficando traumatizado no passeio.

Para fazer pedal tipo speed ou mountain bike (MTB), é bom buscar qualidade. A diferença de desempenho é muuuuito grande. Digo isso por experiência própria. Acaba saindo mais caro porque você descobre que vai ter que comprar uma outra bicicleta. Compre logo uma bicicleta boa, a diferença de preço é grande, mas a satisfação também rsrs. Fazer trilhas, com impactos frequentes, levando o freio ao limite, é bem diferente de andar no asfalto.

Converse com ciclistas mais experientes e de bom senso. Não se deixe levar por conversa de vendedor, a não ser que você o conheça bem.

Capacete é imprescindível. Luzes de alerta dianteira e trazeira são itens importantes. Um pequeno computador que registre velocidade, tempo, distância, é recomendável. Na verdade tem acessório tem pra tudo rsrs, se você for se deixar contagiar, vai acabar fazendo bobagem, gastando mais do que precisa.

Ah ... se você for fazer MTB não vá levar a bike cheia de acessórios hein, rsrs.

Já fiz muito pedal noturno ... a companhia do pessoal é muito legal, além de diminuir o risco de assaltos e acidentes.

Concentração na cidade de Maranguape
Participei outro dia da minha primeira prova de MTB. Foi numa categoria de início, mas a experiência foi muito boa. 

Final de prova!!!
Aprendi a navegar com planilha, vi as dificuldades de subir e descer trilhas no meio do mato, na pedra, na areia frouxa... dá pra ficar viciado rsrs.
Planilha, página final.





Seja lá o que for fazer ..... divirta-se!!!